domingo, 23 de outubro de 2011

Graça (Beth Alves Pinto)


Graça



Elizabeth Alves Pinto

Introdução

Vamos começar com uma ilustração:

“Uma prostituta veio falar comigo em terríveis dificuldades. Doente, sem lar, incapaz de comprar comida para si e para sua filha de dois anos, ela alugava a filha e por uma hora ganhava o que ela mesma ganhava numa noite inteira. Disse que tinha de fazê-lo para sustentar o vício das drogas.
Eu mal aguentava ouvir aquela sórdida história. Eu me sentia mal, legalmente responsável – tinha que denunciar este caso de abuso contra a criança. Mas naquele momento, eu não tinha idéia do que dizer àquela mulher. Tinha vontade de vomitar.
Finalmente, perguntei a ela se nunca tinha pensado em ir a uma igreja para pedir ajuda. Nunca me esqueci do olhar assustado que vi em seu rosto. “Igreja”! Ela exclamou. “Por que eu iria a uma igreja? Eu já me sinto terrível o suficiente. Eles vão fazer que eu me sinta ainda pior”

(Extraído do livro Maravilhosa Graça de Philip Yancey)

O que aprendemos com esse texto é que por pior que uma pessoa se sinta a respeito de si mesma, ela sempre procura por Deus como um refúgio.

Será que a igreja perdeu este dom?
O que aconteceu?

A resposta para estas perguntas está numa palavra chave. Tudo se desenrola a partir de uma palavra.

Com o passar do tempo, notamos que as palavras perdem o seu valor ou tem o seu valor transformado. Elas têm uma tendência a “se estragarem” com o tempo. Como carne deteriorada.

Os tradutores da versão King James usaram a palavra “caridade” para contemplar a mais elevada forma de amor. Atualmente, ouvimos o seguinte protesto de desdém: “Não quero a sua caridade”.

A palavra graça é uma grande palavra teológica que ainda não foi “estragada”. Procurando em todos os seus usos ainda conseguimos ver um pouco da glória original. Ela sustenta uma civilização orgulhosa, lembrando que as coisas boas não vêm de nossos próprios esforços e sim pela graça de Deus.

Vamos ver como usamos esta palavra: damos “graças” a Deus antes das refeições reconhecendo o sustento como presente de Deus; somos “gratos” pela bondade de alguém; sentimo-nos “gratificados” com boas notícias; “congratulados” quando temos sucesso; “graciosos” hospedando amigos. Quando uma pessoa nos serve bem, deixamos uma “gratificação”.

Os súditos britânicos chegam a chamar a realeza de “Sua Graça”. As editoras de revistas têm o hábito de “agraciar” assinantes com alguns exemplares a mais mesmo depois que a assinatura expirar. São “exemplares de graça”, enviados para me incentivar a continuar assinando a publicação.

São vários os usos da palavra. A “graça” é realmente surpreendente. Ela contém uma essência do evangelho como uma gota de água pode conter a imagem do sol. O mundo tem sede de graça em situações que nem reconhece. Para uma sociedade que parece estar à deriva, não há melhor lugar para lançar uma âncora de fé.

As grandes revoluções cristãs não vêm por causa de uma coisa que não era conhecida antes. Elas acontecem porque alguém aceita radicalmente uma coisa que sempre esteve aí. Estranhamente, descobrimos uma falta de graça dentro da “igreja”, uma “instituição” fundada para proclamar o “evangelho da graça de Deus”.

Um veterinário fica sabendo uma porção de coisas a respeito do dono de um cão – que ele não conhece – apenas olhando o animal. O que o mundo fica sabendo de Deus ao observar a igreja, os seguidores de Deus aqui na terra?

Quando buscamos as raízes da palavra graça no texto grego, descobrimos um verbo que significa “eu me regozijo, estou feliz”. A alegria e o regozijo não são as primeiras imagens que vêm à mente das pessoas quando pensam na “igreja”. Elas pensam em “santarrões”. Pensam na “igreja” com lugar para ir depois que tiverem endireitado as coisas, não antes. Pensam em moralidade, não em graça. Lembrem-se “Igreja!”, disse a prostituta, “por que eu iria lá? Eu já me sinto terrível! Eles vão me fazer sentir-me pior”.

Esta atitude vem parcialmente de um conceito deturpado, ou preconceito, dos de fora. Quando visitamos abrigos, asilos, hospícios e vários ministérios dirigidos por crentes cheios da graça podemos ver as bênçãos do Senhor em todos estes lugares. Mesmo assim, encontramos este ponto fraco na “igreja”, a falta de graça.

A graça está por toda parte, mas com que facilidade nós a ignoramos...

O testemunho de uma garota de 18 anos que saiu de casa para dançar a noite toda num baile de carnaval nos dá esperança. Vestida com uma micro saia e com uma blusa que mais parecia um soutiem ela foi convidada pelo seu acompanhante: “escuta, eu preciso dar uma passadinha na igreja da minha mãe. Eu prometi pra ela dar um alô antes de ir ao baile”. A garota nunca tinha adentrado numa igreja evangélica, mas como o rapaz disse que só levaria uns minutinhos, ela cedeu. Era uma vigília e a mãe do rapaz pediu que ficassem alguns minutos, fazendo companhia a ela. Os dois consentiram. Saíram daquela igreja ás 6 horas da manhã do outro dia! Sabe do que aquela garota lembra hoje, quase 30 anos depois? Que todos, sem exceção, olharam para ela como se estivesse vestida dos pés à cabeça. “Nunca fui tão bem tratada em toda a minha vida!”


Clique em "Mais informações" para ler o restante do artigo.

domingo, 16 de outubro de 2011

As verdades dos quatro primeiros capítulos de João - Tema do nosso próximo Dialogue - 20/10

Dia 20 de outubro estaremos reunidos para mais um Dialogue. Erike ministrou em agosto sobre "O prólogo do livro de João". Continuando o assunto, ele estará conosco agora em outubro, no dia 20, falando sobre "As verdades dos quatro primeiros capítulos de João".

O Dialogue vai começar às 19:30 horas e você pode confirmar sua presença pelo e-mail cursos@institutoabba.com ou deixando um comentário neste post.

Lembrando que o Dialogue é uma palestra seguida de um bate papo sobre o assunto, sendo que encerramos sempre com uma confraternização (um momento de comunhão sempre muito gostoso)

O Dialogue acontece no Instituto Abba - Rua Formiga, 467 - Bairro São Cristovão - próximo à Igreja Batista da Lagoinha.

Esperamos você!