quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

SÉRIE: REGRAS GERAIS DE INTERPRETAÇÃO BÍBLICA II


Deixar a Bíblia falar por si mesma, não acrescentar e também não retirar nada, este é um importante princípio para uma boa interpretação bíblica. Neste post iremos compartilhar um pouco mais a respeito das regras de interpretação, e se você ainda não leu o primeiro posts da série, eu o convido.
Você pode lê-lo clicando aqui

Regras gerais de interpretação bíblica

REGRA DOIS: A BÍBLIA É SEU INTÉRPRETE - A ESCRITURA EXPLICA MELHOR A ESCRITURA

É bastante perigoso usar outros meios para interpretação das Escrituras, pois um grande risco que corremos é retira-la do seu contexto. É bem possível que haja omissão ou até que se acrescente algo quando é realizada uma interpretação equivocada.  Por isso, deixe a Bíblia falar por ela mesma, não acrescente nem retire, deixe-a ser seu próprio comentário.
Uma dica importante ao estudar um capítulo ou um parágrafo é procurar no contexto a interpretação do mesmo. Deixe a Escritura explicar a própria Escritura, invista tempo em conhecer esta preciosidade. Ouça a Deus com compreensão, atenção e zelo.


Aguardo você no próximo post da série: Regras gerais de interpretação bíblica.


Cíntia Silveira.
Texto adaptado “Princípios de interpretação bíblica – Walter A. Henrichesen”. 

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

SÉRIE: REGRAS GERAIS DE INTERPRETAÇÃO BÍBLICA I



“De todo o coração te busquei; não me deixes fugir aos teus mandamentos. Guardo no coração as tuas palavras, para não pecar contra ti”.
Salmo 119: 10 – 11


Todo cristão tem em seu coração o desejo em prosseguir e conhecer a Palavra de Deus, pois ele reconhece e sabe que é através desta Palavra que os segredos de Deus são revelados a ele. Nesta série estamos compartilhando princípios para uma correta interpretação das Escrituras e você é o nosso convidado a mergulhar neste ensino.

Regras gerais de interpretação:

REGRA UM: TRABALHE PARTINDO DA PRESSUPOSIÇÃO DE QUE A BÍBLIA TEM AUTORIDADE

Tradição, razão ou Escrituras, consciente ou inconsciente é comum adotar umas das três citações como autoridade máxima ao estudar a Bíblia. Na Igreja Católica Romana, por exemplo, a tradição é o juiz e em boa parte do protestantismo é o racionalismo que ocupa este lugar, mas um cristão fiel não deve abrir mão de ter as Escrituras como sua autoridade maior, pois somente reconhecendo a Bíblia como autoridade se pode experimentar de uma vida de obediência e rendição ao Deus Criador.

“Se alguém quiser fazer a vontade dele, conhecerá a respeito da doutrina, se ela é de Deus ou se falo por mim mesmo”.
João 7: 17

 Parafraseando o autor do livro Princípios gerais de interpretação bíblica, Walter Henrichsen, “o fazer vem antes do saber”. É necessário se entregar, se submeter e obedecer, e então somente será possível conhecer. É imprescindível que o cristão tenha a Bíblia como máxima autoridade.
Aguardo você no próximo post da série: Regras gerais de interpretação bíblica.


Cíntia Silveira.
Texto adaptado “Princípios de interpretação bíblica – Walter A. Henrichesen”.



quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Inscrições no EBA - Estudos Bíblicos Avançados até 30/01 tem isenção de Matrícula


Não Perca!
Faça sua matrícula no EBA - Estudos Bíblicos Avançados do Instituto Abba 
até 30/01/2015 e fique isento da matrícula.

Contatos:
(31) 2512-89869 na parte da tarde
(31) 9214-3745 e
cursos@institutoabba.com


quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Inscrições abertas para o curso de Grego Bíblico!

GREGO BÍBLICO - BH

Alfabetização, gramática, leitura e iniciação à tradução de textos bíblicos.

Início em 7 de fevereiro de 2015

Duração: 5 meses

Aulas aos sábados de 14:00 às 16:00 horas.

Informações e inscrições:
2512-8969 e 9214-3745