Pular para o conteúdo principal

SÉRIE: REGRAS GERAIS DE INTERPRETAÇÃO BÍBLICA II


Deixar a Bíblia falar por si mesma, não acrescentar e também não retirar nada, este é um importante princípio para uma boa interpretação bíblica. Neste post iremos compartilhar um pouco mais a respeito das regras de interpretação, e se você ainda não leu o primeiro posts da série, eu o convido.
Você pode lê-lo clicando aqui

Regras gerais de interpretação bíblica

REGRA DOIS: A BÍBLIA É SEU INTÉRPRETE - A ESCRITURA EXPLICA MELHOR A ESCRITURA

É bastante perigoso usar outros meios para interpretação das Escrituras, pois um grande risco que corremos é retira-la do seu contexto. É bem possível que haja omissão ou até que se acrescente algo quando é realizada uma interpretação equivocada.  Por isso, deixe a Bíblia falar por ela mesma, não acrescente nem retire, deixe-a ser seu próprio comentário.
Uma dica importante ao estudar um capítulo ou um parágrafo é procurar no contexto a interpretação do mesmo. Deixe a Escritura explicar a própria Escritura, invista tempo em conhecer esta preciosidade. Ouça a Deus com compreensão, atenção e zelo.


Aguardo você no próximo post da série: Regras gerais de interpretação bíblica.


Cíntia Silveira.
Texto adaptado “Princípios de interpretação bíblica – Walter A. Henrichesen”. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A COSMOGONIA BÍBLICA/ A CRIAÇÃO

A cosmogonia trata da origem e da evolução do universo, ou seja, sua função é descobrir como surgiram a terra e os demais planetas e astros. Vamos ver como  as pessoas da antiguidade encaravam a questão da origem do universo. a) Acadianos, sumérios e babilônios Os povos que habitava a antiga mesopotâmia, elaboraram uma teoria composta entre o terceiro e o segundo milênio antes de Cristo diz que os deuses travaram batalhas com as forças desagregadoras. Destas lutas teriam surgido os céus, a terra, o mar, os animais e o ser humano. b) Gregos Mais desenvolvidos cientificamente que os povos da antiguidade, tiveram vários filósofos com diferentes posicionamentos. * Anaximandro – ensinava que o mundo teve origem de uma substância indefinida: apeíron, em grego, sem fim. * Tales de Mileto – segundo ele tudo veio da água. Foi levado a ter este posicionamento depois de verificar a presença da água em todas as coisas. * Anaxímenes de Mileto – afirmava ser o ar o princípio de tudo. Argumentava que tudo d…

PORQUE ESTUDAMOS GEOGRAFIA BÍBLICA

O homem tem uma necessidade muito forte de determinar uma concepção de espaço. Por isso sempre pergunta: onde exatamente se deu este fato? Onde começou? E onde será o término de tudo? Para responder estas questões precisamos unir ao estudo da história, o estudo da Geografia, situando cada fato em seu respectivo contexto, buscando informações em cada sítio arqueológico, teremos uma idéia ampla e clara do habitat bíblico. Atualmente a Geografia não se limita apenas a descrever lugares, climas, vegetações, hidrografias; propõe-se a explicar os fatos e suas diversas relações. Podemos então definir Geografia como descrição sistemática e ordenada da superfície da terra e meio de pesquisa das relações entre o meio natural e os diversos grupamentos humanos. O estudo da Geografia Bíblica permite o conhecimento das diferentes áreas da terra relacionadas com os fatos narrados nas Escrituras, dando-lhes mais consistência e autenticidade, auxiliando na interpretação e compreensão dos fatos bíblicos, d…

Macabeus, sua história, conquistas e a Festa de Chanuká (Dedicação)

Maria Dolores Moreira
Alexandre, o Macedônio, após vencer Dario rei dos persas e dos medos tornou-se rei em seu lugar e a partir de então empreendeu numerosas guerras avançando às extremidades da terra submetendo assim nações, províncias e soberanos os quais se tornaram seus tributários. Depois disto Alexandre adoeceu e percebendo que iria morrer convocou seus oficiais e nobres que com ele conviveram desde sua mocidade e repartiu entre eles seu império. Cada qual se apossou do que recebera e sucessivamente seus respectivos filhos. De um deles originou Antíoco Epifanes. Este quando se viu consolidado em seu trono, resolveu também apoderar-se do Egito a fim de reinar sobre dois reinos, travou batalha contra Ptolomeu o qual recuou e fugiu. Vencendo porém o Egito no ano 143 AC, em sua volta subiu contra Israel e Jerusalém.  Entrou porem com arrogância no Santuário e tomou seus utensilios sagrados, partindo assim para seu país. Por este motivo um grande clamor foi levantado em toda nação de I…