Pular para o conteúdo principal

SÉRIE: REGRAS GERAIS DE INTERPRETAÇÃO BÍBLICA I



“De todo o coração te busquei; não me deixes fugir aos teus mandamentos. Guardo no coração as tuas palavras, para não pecar contra ti”.
Salmo 119: 10 – 11


Todo cristão tem em seu coração o desejo em prosseguir e conhecer a Palavra de Deus, pois ele reconhece e sabe que é através desta Palavra que os segredos de Deus são revelados a ele. Nesta série estamos compartilhando princípios para uma correta interpretação das Escrituras e você é o nosso convidado a mergulhar neste ensino.

Regras gerais de interpretação:

REGRA UM: TRABALHE PARTINDO DA PRESSUPOSIÇÃO DE QUE A BÍBLIA TEM AUTORIDADE

Tradição, razão ou Escrituras, consciente ou inconsciente é comum adotar umas das três citações como autoridade máxima ao estudar a Bíblia. Na Igreja Católica Romana, por exemplo, a tradição é o juiz e em boa parte do protestantismo é o racionalismo que ocupa este lugar, mas um cristão fiel não deve abrir mão de ter as Escrituras como sua autoridade maior, pois somente reconhecendo a Bíblia como autoridade se pode experimentar de uma vida de obediência e rendição ao Deus Criador.

“Se alguém quiser fazer a vontade dele, conhecerá a respeito da doutrina, se ela é de Deus ou se falo por mim mesmo”.
João 7: 17

 Parafraseando o autor do livro Princípios gerais de interpretação bíblica, Walter Henrichsen, “o fazer vem antes do saber”. É necessário se entregar, se submeter e obedecer, e então somente será possível conhecer. É imprescindível que o cristão tenha a Bíblia como máxima autoridade.
Aguardo você no próximo post da série: Regras gerais de interpretação bíblica.


Cíntia Silveira.
Texto adaptado “Princípios de interpretação bíblica – Walter A. Henrichesen”.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A COSMOGONIA BÍBLICA/ A CRIAÇÃO

A cosmogonia trata da origem e da evolução do universo, ou seja, sua função é descobrir como surgiram a terra e os demais planetas e astros. Vamos ver como  as pessoas da antiguidade encaravam a questão da origem do universo. a) Acadianos, sumérios e babilônios Os povos que habitava a antiga mesopotâmia, elaboraram uma teoria composta entre o terceiro e o segundo milênio antes de Cristo diz que os deuses travaram batalhas com as forças desagregadoras. Destas lutas teriam surgido os céus, a terra, o mar, os animais e o ser humano. b) Gregos Mais desenvolvidos cientificamente que os povos da antiguidade, tiveram vários filósofos com diferentes posicionamentos. * Anaximandro – ensinava que o mundo teve origem de uma substância indefinida: apeíron, em grego, sem fim. * Tales de Mileto – segundo ele tudo veio da água. Foi levado a ter este posicionamento depois de verificar a presença da água em todas as coisas. * Anaxímenes de Mileto – afirmava ser o ar o princípio de tudo. Argumentava que tudo d…

PORQUE ESTUDAMOS GEOGRAFIA BÍBLICA

O homem tem uma necessidade muito forte de determinar uma concepção de espaço. Por isso sempre pergunta: onde exatamente se deu este fato? Onde começou? E onde será o término de tudo? Para responder estas questões precisamos unir ao estudo da história, o estudo da Geografia, situando cada fato em seu respectivo contexto, buscando informações em cada sítio arqueológico, teremos uma idéia ampla e clara do habitat bíblico. Atualmente a Geografia não se limita apenas a descrever lugares, climas, vegetações, hidrografias; propõe-se a explicar os fatos e suas diversas relações. Podemos então definir Geografia como descrição sistemática e ordenada da superfície da terra e meio de pesquisa das relações entre o meio natural e os diversos grupamentos humanos. O estudo da Geografia Bíblica permite o conhecimento das diferentes áreas da terra relacionadas com os fatos narrados nas Escrituras, dando-lhes mais consistência e autenticidade, auxiliando na interpretação e compreensão dos fatos bíblicos, d…

Macabeus, sua história, conquistas e a Festa de Chanuká (Dedicação)

Maria Dolores Moreira
Alexandre, o Macedônio, após vencer Dario rei dos persas e dos medos tornou-se rei em seu lugar e a partir de então empreendeu numerosas guerras avançando às extremidades da terra submetendo assim nações, províncias e soberanos os quais se tornaram seus tributários. Depois disto Alexandre adoeceu e percebendo que iria morrer convocou seus oficiais e nobres que com ele conviveram desde sua mocidade e repartiu entre eles seu império. Cada qual se apossou do que recebera e sucessivamente seus respectivos filhos. De um deles originou Antíoco Epifanes. Este quando se viu consolidado em seu trono, resolveu também apoderar-se do Egito a fim de reinar sobre dois reinos, travou batalha contra Ptolomeu o qual recuou e fugiu. Vencendo porém o Egito no ano 143 AC, em sua volta subiu contra Israel e Jerusalém.  Entrou porem com arrogância no Santuário e tomou seus utensilios sagrados, partindo assim para seu país. Por este motivo um grande clamor foi levantado em toda nação de I…